Cobrança não gera mudança. Gera raiva, irritação, frustração e por aí vai. Às vezes temos a falsa ideia de que cobrar irá gerar os resultados que queremos quando o assunto é relacionamento. Cobramos insistentemente acreditando que estamos fazendo a coisa certa. Por vezes ainda, usamos de comparações pra tentar “impactar” o outro. O que não sabemos é que cobrança não gera mudança. Existem várias formas de comunicar a mesma coisa e sempre escolhemos uma forma desgastante de comunicar ao outro aquilo que ele poderia melhorar. O que você gostaria que o seu parceiro ou parceira mudasse? Se recorda das vezes (inúmeras) que cobrou? “Ah, mas você não fez isso… Ah mais você não fez aquilo” pensou? Agora me diga, quantas vezes isso teve um efeito real? Uma mudança efetiva e duradoura? Quantas vezes cobrar insistentemente gerou uma discussão? Sabe o que acontece? A cobrança soa como incapacidade. De ser alguém que o outro espera. Ela não nos desafia a ponto de “evoluirmos”, mas nos estagna. Gera um sentimento de impotência, de não conseguir suprir as expectativas alheias e deixamos de entender que TODO PROCESSO de mudança leva tempo.

Não se desconstrói algo do dia pra noite. E por querermos tudo para hoje e para já esperamos que o outro se encaixe perfeitamente naquilo que exigimos e esperamos e assim, não vemos as pequenas mudanças que são esmagadas pela nossa cobrança diária. Repare nos pequenos detalhes, nas pequenas atitudes que demonstram mudança, entenda aquilo que você está disposto a aceitar no outro e pare de cobrar. Fique com alguém que você ACEITE e entenda que a MUDANÇA não acontece porque você deseja, porque o namoro está firme, o casamento aconteceu. A mudança acontece se o outro quiser, se ele desejar, se ele achar necessário. Ninguém muda ninguém. Cobranças sufocam qualquer relacionamento. O desejo de ser alguém melhor para o outro deve partir do outro e não de você.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, 22, é aquela que escuta mil vezes a mesma música e tem a risada escandalosa. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito catupiry, mesmo sendo intolerante a lactose. Encontra paz na oração e vê amor nos pequenos detalhes.