Depois de ler o livro “Deus e a pandemia” (N. T. Wright), pensei em algumas reflexões e quero compartilhar com vocês. Esse texto não é para discutir sobre quem está certo ou errado. Mas uma reflexão da nossa postura como cristãos perante o COVID-19.

Temos cristãos proclamando o fim dos tempos, convencidos de que Deus enviou a pandemia. E cristãos que não acreditam na pandemia. De qualquer forma, o vírus está aqui, e mudou nossa rotina. Mas mudou nossa forma de vermos Deus?

Eu realmente penso que se você acredita em Deus como agente causador da pandemia, você tenta nos tornar isentos de toda responsabilidade que é nossa. Do fruto do nosso pecado.

O livre-arbítrio é tão antigo quanto a criação de Deus, e Ele, mesmo sabendo de nossas escolhas, tem essa onisciência não causativa. Deus sabia da pandemia? Sabia. Deus sabia do número de mortes? Sabia. Porém, acreditar que Ele colocou Sua mão para causar tudo isso, é acreditar que o mal faz parte da natureza dEle.

Sendo que “o mal é um intruso na criação de Deus”. Mediante o povo na época de Noé, Deus não fala: “permiti que chegassem até aqui”. Deus se entristece. “Foi dessa tristeza que Deus chamou Noé, através DE QUEM abrira um caminho em meio ao desastre.

Deus delegou a administração de muitos aspectos do mundo aos seres humanos, e que, ao fazê-lo, assumiu o risco de que a humanidade alarme e aflija o seu coração. ” Ele não deixará de responsabilizar os culpados, mas é neste ponto que quero chegar. Os culpados dessas consequências, somos nós mesmos. Será que o mundo não está em má administração? Será que guerras e a fome já não nos ensinaram que nossas ações levam a reações?

E agora, uma pergunta: Mediante a fome, você procura o motivo pelo qual o povo passa fome, ou você leva comida até eles? Mediante o COVID-19, você está mais preocupado em ter razão, ou em ajudar?

Vejo muitas pessoas preocupadas em reforçar seu ponto de vista, em achar mil motivos para descartar o uso de máscara, e mil e uma formas de justificar seu churrasco entre amigos, mas vejo poucas pessoas se preocupando com o próximo.

Deus INTERVÉM, sim! Através de todos nós. Ele nos usa nessas situações. Como usou Moisés, José, Noé e muitos outros. Em momentos como esse, é sábio se colocar em oração. Nos perguntar o que podemos fazer para ajudar nosso próximo. Nem que sejam pequenas coisas.

Temos que ser fortes? Sim. Mas Jesus, mesmo forte, também chorou por Lázaro.

E para responder à pergunta: Onde está Deus na pandemia? Termino com a frase do N.T. Wright: Lá, na linha de frente, sofrendo e morrendo para trazer cura e esperança.”

(Trechos em itálico retirados do livro Deus e a pandemia – N.T. Wright, Editora Thomas Nelson Brasil.)

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Gabriele Sauthier
Nasceu em 93. Faz doutorado em Biologia. Apaixonada por livros, desenhos e animais. Idealizadora do @faleicomamor.