“A virgindade é algo constituído pelos homens para manter as mulheres presas na vergonha”.

Quando eu li essa declaração, eu estava concluindo uma revisão do artigo do jornal sobre os efeitos do Fundamentalismo Batista do Sul sobre as mulheres. Ao longo do caminho, eu me distraí com alguns autores feministas seculares. O conceito de virgindade – o peso tácito de uma “primeira vez” – é, de acordo com os autores que eu li, um produto do movimento “patriarcal”. Este movimento (novamente de acordo com autores seculares) procura envergonhar as mulheres para subjugar sua sexualidade aos homens. O “mito” da virgindade é supostamente parte desta agenda.

Eu poderia ser considerado uma “fundamentalista” pela audiência secular. Eu fui criada na igreja, (cresci em uma família cristã) de forma conservadora, fui educada em casa. Eu casei jovem e não use a pílula anticoncepcional. Mas quando os escritores seculares desenham uma linha de batalha contra os fundamentalistas, eles não estão reagindo contra pessoas como eu. Eles estão reagindo aos legalistas.

Infelizmente para os cristãos, há alguns no nosso campo que têm atos de graça como requisito para a salvação (trabalhos feitos para ganhar a graça). A virgindade é um desses requisitos legais. O movimento de pureza dentro de seus fundamentos, é uma questão sem resposta:  Deus ainda me amará se eu não sou virgem?

O movimento de pureza funcionou para evitar, mas perdeu a capacidade de restaurar. Em um esforço para ensinar às mulheres a glória do design de Deus para o sexo, não conseguimos estender a esperança de Deus às feridas. Então vou fazer uma declaração ousada: a pureza não é sobre virgindade.

A pureza não é sobre a virgindade porque a virgindade não é o objetivo de Deus.

Antes que meus leitores cristãos peguem suas penas e os leigos seculares me adotem no seu campo, eu encorajaria você a ler minhas postagens sobre sexualidade. A Bíblia afirma claramente que “O design de Deus para o sexo é o casamento”. O sexo fora do casamento, e todos os atos que circulam pela periferia da relação sexual, não estão de acordo com a vontade de Deus. Como cristãos, devemos parar de perguntar “até onde está longe?” E, em vez disso, pergunte o quão sagrado podemos ser?

Contudo:   A pureza é mais do que não ter relações sexuais, assim como “A modéstia é mais do que usar mais roupas”. A pureza é uma atitude de coração que nos permite abordar o monte sagrado de Deus e aprender Sua vontade para nossas vidas (Salmos 24). A pureza é restauradora, não legalista. É esperança, não limitação. Buscamos a pureza por amor de Deus e desejo de agradá-lo – não da exigência da lei ou da aprovação dos homens.

É por causa da natureza da pureza que a virgindade não é o objetivo de Deus. Se a virgindade fosse o objetivo de Deus, haveria esperança para as vítimas de estupro?

Haveria redenção para aqueles que falharam?

Haveria aceitação para aqueles que pecaram?

Não haveria. O próprio fato de nosso Senhor estar com braços abertos na cruz, trazendo os feridos, fala com a missão de Deus. Santidade, não virgindade, é o objetivo dEle.

Espero que meus leitores sejam intuitivos o suficiente para perceber que isso não nos concede um passe grátis para se livrar sexualmente. Como Paulo diz, “O que devemos dizer então? Devemos continuar no pecado para que a graça possa aumentar? Que nunca seja! Como nós que morremos para o pecado ainda vivemos nele? ” (Romanos 6: 1-2)

O dom de santidade de Deus (através de Jesus, que tomou a pena que merecemos) levanta o peso da condenação e nos liberta para andar uma vida justa agradável a Ele. Isso, por sua vez, nos permite ter uma perfeita comunhão com um Deus todo santo – algo que não podemos ter quando vivemos em pecado. Se somos ou não “virgens” físicas, somos sagrados por um Deus amoroso e restaurador.

Quando as feministas seculares atacam com raiva os “patriarcas fundamentalistas”, eles estão atacando a facção legalista do cristianismo. Se as mulheres seculares realmente compreendessem o coração de Deus para a pureza, eles não teriam base para seus argumentos. O coração de Deus não é condenação (Romamos 8: 1) nem separação (2 Pedro 3:9). Ele tem um padrão sagrado porque somente pessoas sagradas podem conhecê-Lo. Por amor por nós, Ele nos fez santos através de Jesus – nosso único caminho para ter um relacionamento com um Deus perfeito.

Você pode estar pensando: “Ok, Phylicia, eu entendo. Mas em todos os lugares, as mulheres cristãs parecem ser perfeitas. Eu estudei. Não conheço ninguém que tenha sido restaurado. “Meu amigo, você não está sozinho. A restauração é um tema em toda a Escritura, especialmente evidente nas vidas das mulheres. Vamos ver alguns.

Rute (Rute 1-4)

Rute foi casada com o filho de Naomi por dez anos (Rute 1: 4-5) antes de viajar com a sogra e conhecer Boaz (Rute 2: 4-5). Se você ainda não leu esse pequeno livro, recomendo que você comece o seu tempo de silêncio esta semana. A história de Rute é tudo sobre restauração!

Rute se casou uma vez antes de conhecer Boaz. Ela era definitivamente não virgem, e mais do que isso, ela era uma moabita. No entanto, apesar de sua herança e sua história, ela tornou-se bisavó do rei Davi. Ela era um membro da linha real que eventualmente levou ao Messias.

Se a virgindade fosse o objetivo de Deus, como poderia ter contado a história de Rute? Como ela poderia ter encontrado amor novamente após a morte de seu marido? O objetivo de Deus é a santidade, e porque Rute buscou Deus e alinhou suas ações com a adoração de Ele, ela se tornou uma parte fundamental do plano de Sua redenção.

A Mulher no Poço (João 4: 1-45)

A mulher no poço era um estudo de caso em relacionamentos fracassados; Jesus apontou que teve cinco maridos, e o homem com quem morava no momento não era o marido dela (João 4: 17-18). Se a virgindade fosse o objetivo de Deus, Jesus nunca teria falado com a adúltera da meio-raça nem aceitou água de sua mão.

Mas ele fez, porque essa mulher não era apenas um corpo, mas uma alma. Enquanto Jesus reconhecia seu passado, Ele olhou para além do futuro. Jesus era tão intencional em relação a essa mulher que ele estava esperando no poço ao meio dia – muito depois do tempo típico que as mulheres vieram para tirar água. Ele estava em Samaria, um lugar que nenhum rabino “piedoso” se atreveria a pisar por causa da tensão entre samaritanos e judeus. Mas Jesus retirou a história desta mulher enquanto tirava água do poço. Assim como Ele aceitou água de sua mão, ela conseguiu aceitar a redenção de Seu.

A Adúltera (João 8: 1-11)

Durante a Festa dos Tabernáculos (ou cabines), os fariseus trouxeram diante de Jesus uma mulher apanhada em adultério (João 8: 4-5), que de acordo com a Lei Mosaica era digna de ser apedrejada. De acordo com a Lei, a mulher foi condenada com base em sua transgressão. Mas porque Jesus é Deus, Ele tem autoridade sobre a Lei. Porque ele era o Messias que pagaria a penalidade da mulher pelo pecado – Ele levaria sua lapidação – Ele poderia e perdoou-a. “Mulher, onde estão eles? Ninguém o condena? ”, Ele perguntou. E ela respondeu: “Ninguém, Senhor.” (João 8:11)

Ela tinha pecado? Definitivamente. Mas a Lei que condena é para nos apontar para a Esperança da restauração: Jesus Cristo. Quando Jesus levantou os fariseus, Ele não estava dizendo que a lei estava errada em sua condenação. Ele estava revelando Sua autoridade sobre condenação.

Jesus é o intercessor entre nossas falhas e a santidade de Deus. É em Jesus que ficamos restaurados, levados da lama para “Vá, e não peque mais” (João 8:11).

A mulher pecadora (Lucas 7: 36-50)

Ela correu para a sala, desgrenhada, chorando e agarrando um frasco. Ela gastou todo seu dinheiro, tudo o que ganhou. Dinheiro sujo, obtido com o corpo. Ela não gostava de como eles a olhavam mais – porque nos Seus olhos ela via amor. Era o tipo de amor que já não a via como intocável. Era o tipo de amor que lhe dava esperança.

Lucas 7 retrata a “mulher pecadora” que entra na casa do fariseu para lavar os pés de Jesus. O anfitrião de Jesus nem lavou os pés de seus convidados nem forneceu a alguém para fazê-lo – talvez mais preocupado com a responsabilidade de hospedar uma celebridade do que realmente servir seu convidado. Mas quando a mulher entrou, ela não tinha nada a provar senão a gratidão pela graça. Ela derramou tudo o que tinha como oferenda nos pés de Jesus.

Se a virgindade fosse o objetivo de Deus, Jesus poderia ter se juntado ao seu anfitrião farisaico ao pensar: “[Eu sei] … quem é essa mulher que está me tocando, porque ela é pecadora” (Lucas 7:39). Mas Jesus não a afastou. Em vez disso, Ele estendeu a esperança: “Por isso, eu lhe digo, seus pecados, que são muitos, são perdoado” – porque ela amava muito. Mas aquele que é perdoado pouco, ama pouco. “E ele disse-lhe: Seus pecados são perdoados “(Lucas 7: 47-48).

Maria Madalena (Lucas 24:10, Mateus 28: 1, Marcos 16: 1, 9)

Maria Madalena foi uma das primeiras pessoas a ver Jesus após a Sua ressurreição. Embora não haja provas de que ela seja a mulher pecadora em Lucas 7, Maria estava possuída por sete demônios. Ela também saudou da cidade de Magdala, uma cidade a três milhas de Capernaum, conhecida por sua prostituição. Seja ou não Maria virgem, sabemos que ela foi atormentada pela opressão desses sete espíritos antes que Jesus a libertasse da escravidão.

Nós também podemos ser oprimidos. Como Maria, podemos ser oprimidos pela influência cultural, opinião pública, inadequação, dúvida e luxúria. Mas também como Maria, a liberdade da escravidão está disponível através de Jesus Cristo.

Em Lucas 13: 10-17 conhecemos uma mulher desabilitada por um espírito, incapaz de “endireitar-se completamente”. Esta mulher estava destinada a continuar pela vida como paralítica, nunca capaz de abraçar completamente a liberdade de andar e correr… até Jesus.

“Quando Jesus a viu, Ele a chamou e disse-lhe: Mulher, você é libertada da sua deficiência. E Ele colocou as mãos sobre ela, e imediatamente ela foi endireitada, e ela glorificou a Deus. ” (Lucas 13: 12-13)

Mas havia alguns que colocavam a obediência à lei mais elevada do que a glória a Deus. Eles prefeririam que a mulher permanecesse aleijada do que ver suas tradições alteradas. Jesus não tolerou essa hipocrisia.

“Então o Senhor respondeu: Vocês são hipócritas! Nem cada um de vocês no sábado desencadeia seu boi ou seu jumento da manjedoura e leva-o para regá-lo? E essa mulher, uma filha de Abraão, que Satanás tiveram por dezesseis anos, seja solta desse vínculo no dia de sábado?  Ao dizer estas coisas, todos os seus adversários foram envergonhados, e todo o povo se alegrou com todas as coisas gloriosas que ele fez. ” (Lucas 13: 16-17)

Nosso Deus não quer nos ver caminhando através da vida, aleijados sexuais.  Sim, podemos ter falhado. Sim, podemos ter perdido nossa virgindade. E sim, isso é contrário ao plano de Deus para o sexo.  Mas nosso Deus nos alcança em nosso estado aleijado e diz: “Não deve essa mulher, uma filha minha a quem Satanás tenha ligado há anos, ser solto deste vínculo HOJE?”

Nós colocamos um alto valor na virgindade porque Deus nos criou com uma necessidade de intimidade, e essa intimidade é projetada para a unidade com um homem – nosso marido.  Mas se o objetivo de Deus fosse a virgindade, não haveria esperança para milhões de mulheres em todo o mundo.  Quando a igreja apresenta a virgindade como um prêmio a vencer, eles perderam o objetivo de Deus e o legalismo elevado acima da missão de Cristo.

O objetivo de Deus não é virgindade. Seu coração é santidade.

Em Jesus, temos restauração independentemente da nossa história. Em Jesus, somos feitas novas mulheres, as “outras virgens”, aquelas que caminham na liberdade para agradar a Deus. Nós somos as “rainhas sacerdotisas” (1 Pedro 2) que caminham em força, dignidade e santidade porque é isso que Cristo nos fez …

Independentemente de quem fôssemos no passado.

 

Texto original: Phylicia Masonheimer – Virginity is not God’s goal 

Tradução: Gabriele Sauthier

(A tradução do texto foi autorizada pela autora)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS