Eu nunca sei muito bem como começar um texto, então vamos logo ao ponto. Eu quero falar de Jesus.

Não porque eu queira te convencer de que Ele é bom, afinal, você precisa descobrir isso sozinho. Tem mais a ver com necessidade que minha alma sente de comunicar outras almas sobre o quanto, de fato, Ele é bom.

Sabe, outro dia eu estava triste, sentada na sala da minha casa, me sentindo sozinha e Ele chegou. Ele chegou em silêncio, respeitando meu silêncio e se sentou ao meu lado. Ele me convidou para encostar a cabeça no Seu colo, e Ele fez carinho em mim enquanto eu chorava. Ele sabia que eu não estava pronta para falar sobre o que estava acontecendo, então Ele simplesmente acariciou meus cabelos e ficou lá, ainda em silêncio, me ouvindo chorar e respeitando meu espaço. Quando melhorei, a única coisa que eu fui capaz de dizer foi “obrigada”, e Ele me fez sentir que aquilo era tudo o que ele precisava ouvir naquele momento.

O que eu quero dizer, é que, Jesus não é só um cara legal que morreu numa cruz para nós não precisarmos fazer o mesmo. Ele é aquele cara que todo mundo sonha em ter por perto. Ele enxuga nossas lágrimas e não as questiona; Ele nos respeita muito mais do que nós mesmos nos respeitamos. Jesus é aquele cara que canta pra nós quando estamos tristes e que sorri conosco quando estamos felizes. Jesus ama dar presentes e ama a nossa cara de bobo alegre quando encontramos as surpresas que Ele espalha para nós por toda parte, todos os dias. Ele é aquele cara que noz faz encontrar as pessoas certas na hora certa. Ele seleciona os melhores amigos do mundo e nos apresenta a eles ao longo da vida. Ele faz muito mais e sem dúvida alguma Ele é muito mais.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Bruna Gabriela
Por fora, 22 anos, por dentro, uma eterna criança. Teimosa, chata, peculiar e mimada. Moro em uma cidade do interior de São Paulo chamada Ribeirão Preto, mas na verdade só estou aqui de passagem, pois pertenço, inegociavelmente, ao céu. Vivo olhando para o alto com cara de apaixonada como quem olha com admiração para um retrato de casa. Acredito, sobretudo, no amor, em especial, no amor de um Deus, soberano e majestoso que, mesmo sem eu merecer, me chama de Filha.