Sempre me perguntei por que não era capaz de sentir a felicidade transbordando em meu coração. Encontrei a resposta e então comecei a preencher aquele “buraquinho” vazio dentro do meu peito. Não pretendo dizer que era uma pessoa infeliz e amarga, é claro que por vários momentos a alegria bateu a porta, mas brevemente.

Não sei se você já vivenciou aqueles momentos da vida em que tudo parece bem e calmo, mas o seu coração sente falta de alguma coisa. Bom, agora eu já sei o que é: Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração (salmos 37:4).

Deleitar é o prazer em contentar-se, satisfazer-se, deliciar-se. O ser humano pode ter muitos desejos em seu coração, seja um carro novo, uma casa para chamar de lar, uma família, sucesso profissional, mas todas essas coisas não revelam o verdadeiro e puro desejo do coração do homem: ser feliz!

Assim a Bíblia ensina que a felicidade inundará nosso coração quando aprendermos o prazer de nos satisfazer, nos contentar e nos deleitar no Senhor. O processo é penoso, ninguém aprende a deleitar-se em Cristo do dia para a noite, apenas a constância na oração e a comunhão poderão estreitar esse laço de amor com o Pai.

Muitas vezes a calmaria da vida já não é nossa realidade e então a dor assola de uma vez por todas nosso peito. Muitos na dor se afastam de Cristo, aproximando-se dos prazeres momentâneos que a vida vem nos ofertar: bebida, festas, amizades vazias e assim a lista não termina.

Mas Deus é tão amoroso que não desiste dos seus filhos, a vida toma conta de ensina-los que se o jugo for pesado devemos entrega-lo ao Pai e assim descansar no Senhor crendo que a sua mão invisível tornará a colocar tudo no devido lugar (Mateus 11:28-30).

Pessoas carentes, assim como eu rs, fatalmente erram ao pensar que a felicidade será encontrada no outro. Não, não será!

Aprender a sentir a dor da solidão e ainda assim confiar em Cristo é o primeiro passo para a caminhada da felicidade. Sim, o primeiro passo, afinal a esperança que depositamos em Jesus nos será retribuída e Ele nos restaurará.

Completos de nós mesmos, só então estaremos prontos a encontrar ou reencontrar, não aquilo que nos falta, mas Aquele a quem somaremos nossas vidas.

Existe um trecho do livro “Quem me Roubou de Mim ?”, autoria do Padre Fábio de Melo que gosto muito “Se concluímos que a estrada não nos leva ao lugar que desejamos, temos um limite estabelecido. A estrada não nos pertence. Mas é a partir dessa descoberta que reencontramos o direito de buscar a que realmente nos fará chegar”.

Isso significa que apenas quando tomamos consciência de que estamos no caminho errado é que poderemos partir direção ao caminho certo. Não se engane o único caminho reto é aquele com entrada estreita.Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho. Porque estreita é a porta e difícil o caminho que conduzem à vida, apenas uns poucos encontram esse caminho! (Mateus 7: 13, 14).

Se a dor apertar no peito e a felicidade parecer distante não se esqueça que Deus permite a turbulência para o aprendizado, e só então quando prontos e totalmente moldados por sua mão divina, Ele próprio nos entregará tudo aquilo que nosso coração pede.

Escrito por: Juliana Rodrigues- Maringá- Pr.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS