Eu me casei com 23 anos e não fui obrigada a isso. Não foi imposto a mim uma condição dentro da sociedade que tanto insistem dizer patriarcal. Hoje eu estou contracultura, eu vi e vejo famílias se desfazendo. Eu vi e vejo o hétero e o homo se desrespeitando e se apedrejado. Existem coisas que se tratam do caráter humano e de seu relacionamento com Cristo.

Com 23 anos eu fui tradicional para este século. E daí? Não ligo mesmo. Eu obedeci a alguém que me conhece melhor do que eu mesma. A sociedade pode impor muitas coisas, porém, a mentalidade é sua. A escolha é sua. O que é bom para sua vida pode não ser para o outro. Aprender a arcar com as consequências e ser responsável pelos seus atos não se trata de espiritualidade, mas pura e simplesmente de humanidade.

Tem gente que culpa a política, o patriarcalismo, o machismo, o feminismo, o homossexualismo, o Brasil, o pai, a mãe e até o cachorro. Tem gente que continua culpando Jesus até hoje, mas no final quem escolhe é a gente. Quem tem que tomar postura é a gente e assumir as cargas. O que eu quero dizer no final de tudo é: eu já fiz muitas escolhas na minha vida, ruins, péssimas; enfiei como dizem “o pé na jaca”. E você acha que poderia culpar alguém? Não, não. Como falam por aí, assuma seus “b.os” e vire adulto. Você pode ser o que quiser, apenas não coloque a culpa em Jesus. Afinal, Ele já levou sobre si todas as culpas que nem eram Dele.

Se vitimizar pode ser uma fuga sem fim, você é um ser que pode ou não ser capaz de carregar a presença de Deus dentro de si. Isso é absurdo. Na real, acho absurdo! Ao invés de culpa, carregue Jesus. Ao invés de culpar, faça você mesmo se auto entender que Deus pode morar dentro de você e aí sério, talvez não terás mais tempo para lamentações.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Alyne Morais
Quase 28 anos, Casada com Gil, aprendendo que a escrita é forma que Deus nos deu para escrever belos roteiros. Na maior parte do tempo roteirista, admira a essência e cada mínimo detalhe que a vida carrega. Apaixonada por livros, e sentar em lugares bem altos, pra se sentir perto do céu.