Um dia eu estava em um daqueles cultos fervorosos, e um homem orou por mim. Ele me disse que eu iria falar sobre submissão com mulheres que haviam perdido esse entendimento.  Pensei comigo: “Ah, não!”. Logo eu que sou boca dura, me meto onde não devo e falo mais que não deveria Haha!

Eu fui muito mudada e moldada nesses anos de casamento. São cinco anos casados mais cinco juntos façam as contas: dez anos. Sou jovem. Juro! Brincadeiras à parte, em tempo onde falar disso gera unfollows porque ferimos uma geração de mulheres que compreenderam errado, e foram vítimas SIM de uma falsa submissão, precisamos ir a luz de Cristo. Pois, uma palavra como esta já foi motivo de muitas distorções, paralisias, escravidão e até mesmo divórcios.

Caminho com o Gil há muitos anos e humildemente posso dizer que aprendi a me colocar no meu lugar, e ele no dele! Submissão é uma via de mão dupla. Nós casamos sobre o consentimento de Cristo, nós nos submetemos a Jesus, e ao longo dos anos passei a olhar para o Gil e enxergar o caráter e a voz de Jesus sobre ele. Logo meu coração se converteu a ouvir, respeitar, não me colocar como alguém que Cristo não havia me chamado para ser.
Assim como o Gil, inúmeras vezes me ouviu, recebeu minhas críticas, orações e até broncas, porque ele como meu marido, também reconhece a voz de Cristo sobre mim.

A diferença é que eu me sinto protegida e amada perto dele. E por mim está tudo bem, eu quero me sentir segura perto de quem vivo e convivo todos os dias. Nossa geração de mulheres precisa compreender que submissão não tem a ver com uma inexistência de voz ativa, ouvir e ficar quieta, ser manipulada, desrespeitada, ser diminuída ou negligente.

Mulher, se você olhar para seu marido e enxergar nele Jesus, será uma honra ouvir e ser amada por ele. Isso não significa que você vai ter que arcar com todas as coisas da vida sozinha, lavar, passar e cozinhar. Deus não te fez para isso nem de longe. Adão sabia muito bem fazer tudo isso.

Homem, aprenda ouvir sua esposa, ela foi chamada com o dom de ser sábia e de construir, ela não é um objeto de manipulação.

Submissão é um caminho de mão dupla para a vida de um casal!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Alyne Morais
Quase 28 anos, Casada com Gil, aprendendo que a escrita é forma que Deus nos deu para escrever belos roteiros. Na maior parte do tempo roteirista, admira a essência e cada mínimo detalhe que a vida carrega. Apaixonada por livros, e sentar em lugares bem altos, pra se sentir perto do céu.